O que é Dermatofitose?

O que é Dermatofitose?

A dermatofitose é uma doença fúngica da pele, conhecida tradicionalmente por tinha.

Caracteriza-se por uma infecção das camadas superficiais da pele, na qual o fungo tem a capacidade de invadir e alimentar-se do tecido queratinizado da pele, pêlos e unhas.

Quais as causas da doença Dermatofitose?

Esta doença é normalmente causada por 3 tipos de fungos diferentes:

  • Microsporum canis (em maior percentagem)
  • Tricophyton mentagrophytese
  • Microsporum gypseum. Afeta sobretudo animais imunodeprimidos (fiv/felv) ou debilitados.

Animais de pêlo comprimido também parecem ter mais predisposição pela dificuldade na higienização dos mesmo.

Dermatofitose é contagiosa?

A tinha é uma zoonose altamente contagiosa, ou seja, pode afetar pessoas e animais.

Como se transmite?

A transmissão pode ser através do contacto direto (animais doentes ou portadores assintomáticos) ou através do ambiente (pêlos e descamação).

Quais os sintomas de Dermatofitose?

A apresentação da doença pode variar de animal para animal mas de um ponto de geral a apresentação mais típica passa pelo aparecimento de lesões circulares de alopécia com um halo vermelho de inflamação, podendo apresentar hiperpigmentação da pele e prurido concomitantemente.

As lesões podem ser focais (apenas um local) ou multifocais mas os esporos do fungo por normal encontram-se em todo o pêlo uma vez que são arrastados durante o processo de higiene dos gatos. Em gatinhos jovens as lesões localizam-se tipicamente nas patas da frente, focinho e orelhas.

O diagnóstico pode ser difícil uma vez que as lesões podem facilmente ser confundidas com outras doenças da pele.

O teste mais fidedigno é o DTM (cultura fúngica): é retirada um pequena porção de pêlos desde a raíz (arrancamento ou escovagem com escova estéril) e estes são colocados num meio de cultura enriquecido e observado o crescimento (ou não) dos fungos patológicos.

Consideramos os animais curados quando obtemos três culturas sucessivas negativas com intervalos de 15 dias entre elas.

Qual o tratamento?

O tratamento pode ser local (shampos e/ou pomadas antifúngicas), sistémico (antifúngicos orais) ou uma combinação dos dois.

A par do tratamento do animal é importante a desinfeção constante dos espaços e materiais que estejam em contacto com o animal infectado.

Se tem dúvidas se o seu animal é portador deve aconselhar-se com o seu médico veterinário assistente.

Ficou com alguma dúvida?
Aconselhe-se sempre com o seu médico veterinário assistente.

Até breve!


Clínica Veterinária Oeiras – 927896112 • 211918923
Urgências 24h
geral@vetpoint-ivl.com